terça-feira, 9 de outubro de 2012

Pá de Cal


Mais uma parte da história do Rio de Janeiro foi apagada. No dia 02 desse mês, foi iniciada a demolição da Estação Francisco Sá,construção erguida em estilo clássico, com grande riqueza de detalhes na fachada. Uma verdadeira obra prima da arquitetura ferroviária e industrial, sendo apagada da história por uma bola de demolição, na região conhecida como Complexo Ferroviário de Barão de Mauá no bairro de Praia Formosa. Quase 1 mês depois da demolição do que restava das oficinas e do pátio de Alfredo Maia e o fechamento do acesso ferroviário para Barão de Mauá e Praia Formosa, a estação inicial da Estrada de Ferro Rio D'Ouro também teve seu destino decidido.

Não ficou muito claro o motivo, a princípio Alfredo Maia foi demolida para servir de canteiro para as obras da Linha 4 do Metrô, Francisco Sá pode ter alguma coisa relacionada com isso. 

Sendo otimistas podemos pensar na possibilidade de ser construído um pátio para a Supervia para estacionamento de trens, ou como a prefeitura do rio continua sob o lobby rodoviarista até o fim dos tempos, a construção de um terminal de ônibus, previsto num projeto de 10 anos atrás.

De concreto (sem trocadilhos) só podemos imaginar as possibilidade de uso afinal é um espaço valioso no centro principalmente se forem levados a sério os planos de integração operacional entre o metrô e os trens de subúrbio.Terrível fato é o aterro feito sobre o acesso a Barão de Mauá, pela mesma empreiteira que demoliu francisco Sá e Alfredo Maia, que acaba com as chances do projeto do trem imperial e do museu ferroviário dinâmico naquela estação.

Reportagem sobre a estação de ThalesVeiga

Parte 1 -Thales Veiga´s Train World: O Começo do Fim... e O Fim do Começo - Parte I:

Parte 2 - http://thalesveigastrainworld.blogspot.com.br/2012/05/o-comeco-do-fim-e-o-fim-do-comeco-parte_14.html

Reportagem da coleção de Hugo Caramuru