quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Linha auxiliar pode ser usada como ferrovia escola

Paraíba do Sul se prepara para ser a cidade da ferrovia
Autor: Luana Lazarini

Com a chegada da MRS Logística em Paraíba do Sul no próximo ano, resultando

na construção da maior oficina de trens da América Latina, o município se
prepara para se tornar a cidade da ferrovia. Visando qualificar
profissionais para trabalhar na empresa e em outros segmentos do mercado
ferroviário, uma universidade com ênfase em ferrovia será inaugurada no dia
10 de fevereiro de 2012 em Paraíba do Sul: a UniCepefer .

Com um investimento de aproximadamente R$ 1 milhão, a instituição

funcionará no Colégio Sul Fluminense. De acordo com o diretor executivo da
Cepefer, o engenheiro Manoel Mendes, todas as salas de aulas estão sendo
reformadas e equipadas com aparelhos de alta tecnologia. “Nosso intuito é
fazer da universidade uma escola de primeiro mundo”, declarou Manoel Mendes.

O Centro de Estudos e Pesquisas Ferroviárias foi fundado em 2005 e nesses

seis anos já formou mais de 1.500 engenheiros ferroviários. A princípio, o
Cepefer de Paraíba do Sul irá oferecer 20 cursos técnicos e cinco cursos de
graduação: transporte ferroviário de cargas, transporte ferroviário de
passageiros, logística de transporte, gestão industrial e gestão de pequenas
e médias empresas.

Através de uma parceria com o governo municipal, 10% dos alunos terão

direito à bolsa integral. Para o secretário de Indústria e Comércio, Márcio
Simões de Assis, a chegada da UniCepefer em Paraíba do Sul representa um
marco para a cidade e para a região Centro Sul Fluminense.

“O transporte ferroviário tem se mostrado uma importante alternativa para

desafogar as rodovias e os aeroportos. No entanto, não há mão de obra
qualificada para trabalhar nas ferrovias. Nosso intuito é formar
profissionais capacitados para atuar em grandes empresas deste setor, como a
MRS e a Vale”, revelou o secretário de Indústria e Comércio de Paraíba do
Sul.

De acordo com o engenheiro Manoel Mendes, a previsão é que o modal

ferroviário brasileiro, que hoje está em 25%, seja de 35% até o ano de 2025.
“O investimento tanto do setor privado quanto do governo federal no
transporte ferroviário cresceu consideravelmente nos últimos dez anos.
Grandes ferrovias, como a Transnordestina e a Norte-Sul, estão sendo
construídas no Brasil”, afirmou.

Ainda segundo o engenheiro ferroviário, o Brasil ainda é um país

rodoviarista, em que as pessoas vêem os trens como um veículo velho,
antiquado. “O brasileiro tem esse paradigma. Mas não faz sentido, por
exemplo, transportar cargas de Porto Alegre a Manaus de caminhão. Este tipo
de transporte é para curtas distâncias. O trem é para distâncias maiores”,
destacou Manoel Mendes, acrescentando que para os países do primeiro mundo a
ferrovia é sinônimo de desenvolvimento”, disse Manoel Mendes.

A primeira Ferrovia Escola do Brasil


O conteúdo adquirido nas salas de aulas da UniCepefer será praticado na

Estação de Paraíba do Sul, que funcionará como a primeira Ferrovia Escola do
país. “Os profissionais sairão da universidade altamente preparados para
entrar no mercado ferroviário. No curso de maquinistas, por exemplo,
utilizaremos tecnologias que simulam todas as situações que podem ser
encontradas por aqueles que pilotam uma locomotiva”, declarou o diretor
executivo da Cepefer, Manoel Mendes.

O trecho de 14 km, além de servir como um laboratório para os alunos, será
um local onde as empresas ferroviárias poderão testar seus novos produtos. A
escolha do local se deve ao fato da Estação de Paraíba do Sul ser um dos
poucos lugares do Brasil que oferece um trecho de ferrovia sem fins
comerciais.


Conforme o secretário de Indústria e Comércio, Márcio Simões de Assis, a

tradicional Maria Fumaça continuará existindo como um meio de atividade
turística. “Acreditamos que essas atividades em torno da ferrovia irão
revitalizar a economia de Paraíba do Sul”, destacou.

http://entreriosjornal.com.br/noticia/24230-paraiba-do-sul-se-prepara-para-ser-a-cidade-da-ferrovia



Uma boa forma de você treinar novos maquinistas numa linha exclusiva, sem se preocupar com horário riscos envolvendo outros trens e mais.
O candidato já que sair da ferrovia escola com uma noção razoável do que é conduzir um trem e depois vai apenas passar por digamos, uma "especialização" da ferrovia que o contratar. 

O mais interessante é que isso me parece ser uma boa parceria para rachar os custos de manutenção da via entre a "universidade" e o trem turístico de Paraíba do Sul (trem da estrada Real).



Acima material rodante do trem da estrada Real, que deve ser utilizado 
pela prefeitura de Paraíba do Sul no projeto

Estação de Werneck, uma das estações do trecho Cavaru- Três Rios, do trem da estrada real.

Traçado aproximado do trecho da linha auxiliar usado no trem da etrada real.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Beleza Catarinense



Um documentário sobre a ferrovia Teresa Cristina na decada de 70 filmado por David Corbitt, o raro video mostra as locomitvas a vapor da época, pesadas texas e santa fé carregando o carvão das minas para o porto de Imbituba - SC e a termoelétrica.

A EFDTC é uma ferrrovia de bitola métrica localizada no sul de Santa Catarina. A ferrovia foi dieselizada apenas na década de 90, foi a última ferrovia brasileira a utilizar tração a vapor regular.

Embora tenha sido em parte desmantelada a frota a vapor ainda hoje opera alguns trens turísticos, e há rumores sobre algumas máquina a vapor em serviços de manobra na EFDTC de hoje, lembrando que a EFDTC foi junto com as demais regionais da RFFSA privatizada na segunda metade da década de 90, o fato da concessionária FTC ainda usar mesmo que limitadamente a tração a vapor, me deixa ainda mais maravilhado com esse engenho e sua capacidade. Quem sabe um dia ainda não teremos vaporas modernas operando novamente?

Uma das frases iniciais do documentário é "esta não é uma ferrovia de república das bananas, são as mais poderosas locomotivas a vapor não articuladas de bitola métrica já construídas". Interessante uma ferrovia nacional como a EFDTC, tão importante e tão rara, ter sua história melhor registrada por um estrangeiro...

O vídeo é em inglês, se alguma boa alma se interessar em obter legendas agradeço, se você possui banda larga recomendo fazer uma lista de reprodução e assistir na maior resolução disponível.




















































































































quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Um fim digno




Porciúncula tem posse da antiga estação
por Luiz Carlos Martins Pinheiro*

A Prefeitura de Porciúncula, no noroeste Fluminense, conseguiu o título de
posse do prédio da antiga estação ferroviária, que abriga hoje a Secretaria
Municipal de Cultura, o Centro Cultural Dr. Edésio Barbosa da Silva, a
Biblioteca Pública e o Centro de Inclusão Digital.

Em 1989, o município adquiriu o prédio, que estava abandonado. Após ampla
reforma, foi transformado em Centro Cultural e Biblioteca Pública. Porém, o
Município só possuía um Termo de Cessão de Direitos, fornecido pela Rede
Ferroviária Federal.

Ciente da situação, a secretária municipal de Cultura, Eloiza Morucci, no
atual mandato do prefeito Antônio Jogaib, mobilizou sua equipe, tomou as
providências e conseguiu a legalização do imóvel junto à Secretaria do
Patrimônio da União, o que possibilitou o registro definitivo em cartório do
título de posse do imóvel em nome do Município.

- O prédio do Centro Cultural já era nosso, de fato. Agora, passa a ser
nosso por direito. Estamos felizes e realizados com mais esta importante
conquista para a cultura de Porciúncula - afirmou a secretária.

O prefeito Antonio Jogaib relembrou o início deste processo de
desapropriação e aquisição do prédio, em 1989, quando também era o prefeito
do município, e se considera agraciado por estar novamente ocupando o cargo
no momento em que o prédio passa a integrar definitivamente o patrimônio
municipal.

- Sensibilizado com a questão e preocupado com a possível destruição de tão
importante bem histórico-cultural, abracei imediatamente a causa, agindo
para que o prédio se tornasse posse do município. Hoje, a conquista do
título representa a concretização deste projeto - disse o prefeito.



Paralelamente à confirmação do título de posse do prédio, a Secretaria de
Cultura porciunculense continua trabalhando em novas frentes. Assim que,
através do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Cultural dos Municípios do
Estado do Rio de Janeiro (Padec), com apoio da Secretaria de Estado de
Cultura, está prestes a apresentar mais uma conquista, com a informatização
e climatização do Centro Cultural, que tem se firmado como importante espaço
de promoção da cultura, memória, preservação patrimonial e histórica e
promoção de eventos de Porciúncula.



A antiga estação de trens
A circulação das locomotivas na Estação Ferroviária de Porciúncula cessou
em 1979, época em que o prédio passou a ser utilizado como bar e até sede de
partidos políticos.

Exatamente dez anos depois disso, havia rumores de que a ex-estação
ferroviária seria destruída para a construção de uma praça no local. Assim
que, em 1989, o ex-ferroviário Olavo Pinto de Abreu, inconformado com a
possibilidade de destruição do local, procurou o então prefeito Antônio
Jogaib, sugerindo-lhe a compra do imóvel pelo Município.

A aquisição do imóvel foi concretizada em agosto de 1989 e, já no mês
seguinte, foi assinada a Lei 1.022/89, desapropriando o prédio para a
instalação de serviços públicos, como biblioteca, museu e outros de
interesse da municipalidade.´´

Canal Imprensa
Parabéns a Poricuncula por um final tão feliz e enriquecedor do patrômio
histórico da antiga Santo Antônio do Carangola, do Noroeste Fluminense e do
Estado do Rio de Janeiro. Foi a estação que acabou lhe denominando
Porciúncula, quando seu povo, bravamente, a conquistou em 1887, da mineira
Leopoldina.

*Luiz Carlos Martins Pinheiro é Engenheiro, Escritor e Historiador
http://carlosferreirajf.blogspot.com/





http://www.estacoesferroviarias.com.br/efl_mg_manhuacu/porciuncula.htm

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

MRS conclui obras de novo túnel na Ferrovia do Aço




09/11/2011

A MRS concluiu, no município de Jeceaba (MG), mais uma obra estratégica

dentro dos planos de expansão de sua capacidade de transporte. O túnel T 70
B, o primeiro construído pela Empresa
, é uma duplicação do já existente túnel 70. Com extensão de 865 metros, permitirá a eliminação do gargalo
operacional neste trecho onde ocorre a confluência de trens que seguem para o carregamento nos Terminais do Andaime, Pires e Itacolomi e de composições carregadas oriundas de Alberto Flores, Sarzedo, Sarzedo Novo, Olhos D'Água, Casa de Pedra, Barreiro e Joaquim Murtinho.

"Naquele trecho da Ferrovia do Aço há fluxo de trens nos dois sentidos,

especialmente de composições carregadas de minério exportação e carga geral
oriundas de Belo Horizonte", afirma Alessandro Nasser, Gerente Geral de
Infraestrutura. Ele explica que o túnel T70 faz parte de um projeto mais
amplo, a Alça Dupla do P1-07, que contempla também a construção de uma ponte
ferroviária próximo à estação de Jeceaba, 3,1 quilômetros de linhas até o P1
-07, com sete AMVs, até dezembro de 2011, e a instalação do sistema de
sinalização eletrônica, a cargo do Projeto CBTC, no primeiro trimestre de
2012. Além do túnel, já foi concluída a retirada de interferências do trecho
tais como postes, cabos de sinalização, de energia elétrica e de fibras
ópticas.

Diretor Comercial da MRS, Sérgio Garcia, avalia a importância deste projeto

para a Companhia. "Desde o fim da última crise, crescemos quase 20% e há
muitos projetos de mineração à beira da nossa linha, assim como a nossa
ambição de crescer no segmento de carga geral. Este investimento é parte
importante de nosso plano de crescimento e remove um gargalo que poderia ser
limitante para nossa capacidade de atendimento futura."

Previsto no Plano Diretor da Empresa, o T70 teve custo da ordem de R$ 30

milhões, e foi construído pela J. Dantas, empreiteira de Belo Horizonte, com
o gerenciamento e fiscalização da Concremat, a partir do projeto elaborado
pela Vetec e coordenado pela Gerência de Infraestrutura.

http://www.mrs.com.br/interna.php?nomPagina=noticias/files/detalhes.php?cod_noticia=2203&%20IdSecao=8


É uma notícia importante, normalmente as operadoras não tem feito grandes investimentos em via permanente, a excessão da MRS que já duplicou cerca de 100Km d linha no RJ e agora acredito ter feito algo que nenhuma das ferrovia privatizada fez, um túnel. É um sinal de que haverá longos e prósperos anos pela frente.

Note-se que aos poucos a necessidade de duplicação da ferrovia do aço, conforme seu projeto original vai aparecendo.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011