sábado, 3 de setembro de 2011

Nacionalize já


Três Rios - Publicado em 19/08/11 11h46 
Receita da T’Trans pode crescer 471% até 2012
Autor: Riley Rodriguez 
|

A T’Trans está ampliando sua carteira de parceiros internacionais. Após o
acordo firmado com a chinesa CRN, que se concretizará caso a montadora vença
a licitação para a construção de 90 novos trens para a Supervia, a empresa
trirriense negocia com outras três multinacionais. Os nomes são mantidos em
sigilo pelo presidente da T’Trans, Massimo Giavina, mas as informações dão
conta de tratar-se da alemã Vossloh, fabricante alemã de locomotivas, trens
regionais e híbridos que funcionam como VLTs, da fabricante suíça de portas
de vidro para estações Stadler e da fabricante italiana de sistemas de
sinalização Ansaldo STS.

Com as novas parcerias a T’Trans pode aumentar sua receita em até 471,5%
até 2012, passando de R$ 70 milhões em 2010 para R$ 400 milhões. Além do
aumento da receita, as parcerias são estratégicas para a empresa aumentar
sua participação no mercado, adquirindo expertise para a construção de
Veículos Leves sobre Trilhos (VLT) de grande capacidade, entrando em nichos
atualmente explorados por multinacionais como a Bombardier, a Alstom e a
Siemens, todas instaladas em São Paulo e que estão tentando manobras
(disfarçadas de defesa da indústria nacional – embora sejam multinacionais)
para impedir o acordo entre a T’Trans e a CRN. Os acordos, se fechados,
permitirão ainda à T’Trans ampliar seu portfólio na área de sinalização e
entrar no mercado de produção de portas automáticas de vidro para estações
de trem e metrô.

Apenas o acordo com a CRN poderá render à T’Trans US$ 100 milhões, uma vez
que a empresa teria participação de 30% na produção dos 90 trens para a
Supervia (a licitação ocorre em setembro, conforme já noticiou o Entre-Rios
Jornal). Esse volume representa a produção de 100 carros ferroviários, cujo
preço médio é de US$ 1 milhão, segundo as últimas licitações do setor
realizadas no Brasil.

A certeza na concretização das parcerias está no projeto de expansão da
fábrica, que terá um novo prédio de três andares e um galpão com cinco mil
metros quadrados, uma fábrica de compostos de vidro, uma pista de testes com
1,5 km de trilhos eletrificados e um projeto de VLT de pequeno porte. Os
investimentos totalizam US$ 10 milhões R$ 16 milhões ao câmbio de R$ 1,60.

Embora apostando nas parcerias para impulsionar seu crescimento, a T’Trans
possui em carteira contratos já assinados (como o aeromóvel de Porto Alegre
– já noticiado pelo Entre-Rios Jornal – e a instalação de aparelhos
condicionadores de ar em 30 trens da Supervia) que garantem uma receita de
R$ 84 milhões em 2012, pelo menos. 

http://entreriosjornal.com.br

Aprentemente temendo a reação das indústrias brasileiras a CNR busca uma associação com um fabricante brasileiro. Com suas instalações em Três Rios - RJ a T'Trans saí na frente pois pode se beneficiar do programa rio ferroviário, que reduz os impostos para equipamentos ferroviários construídos no estado.
Curiosamente a associação entre a CNR e uma empresa nacional é uma das bandeiras defendidas pela AENFER - Associação dos Engenheiros Ferroviários, idéia que considero um excelente remendo para a aberração das compras feitas no exterior pelo estado do RJ, aassociação com fabricantes não apenas gera empregos no Brasil como agrega engenharia aos produtos oferecidos evitando problemas como a paralisação precoce dos trens por falta de peças de reposição, como nos "coreanos" na supervia.
Esperamos que essa não seja mais uma manobra como na  compra das primeiras locomotivas C38emi da MRS. Estas máquinas foram importadas prontas dos EUA, apenas recebendo os truques de bitola larga nas oficinas de Barra do Piraí não gerando um emprego a mais sequer e sendo beneficiadas de redução da carga tributária.


Trem da CPTM e instalação da T'Trans na antiga oficina da RFFSA em Três Rios

Instalações da T'Trans atualmente;