quinta-feira, 3 de maio de 2012

PAC da mobilidade, o metrô de Niterói e outras besteirinhas

Prezado leitor,

Segue abaixo a lista de obras de transporte ferroviários de passageiros incluídas no PAC da mobilidade urbana. Muito bom, e uma grata surpresa, ver que a linha 3 (metrô de Niterói) finalmente terá verba para ser executada pelo ao menos em teoria, já que devido a desativação do trem de passageiros que passava por lá a linha foi invadida e o custo das desapropiações aumentará e muito.
Há também mais algumas pegadinhas, a obra do VLT no centro da cidade do Rio foi incluída nm pacote junto com a obra de modernização da faixa seletiva para ônibus da Av. Brasil, sendo fiel a história a verba vai ser comida na obra da seletiva e VLT que é bom nada.
Do mesmo modo há a previsão de contrução de um aeromóvel em Nova Iguaçu! Podemos deduzir sem muito esforço que essa obra é invenção do senador pelo estado do RJ Lindenberg, que é do PT, a obra prevê a ligação de um bairro que, não é o mais populoso ou muito menos o que tem piores condições de transporte, ao centro de N. Iguaçu. O sr Lindenberg quando foi prefeito de N. Iguaçu, deixou uma penca de obras inacabadas cheirando a desvios de verba, como a duplicação do viaduto da Posse, que levou 8 anos e até hoje não foi terminada.
Me dói dizer isso mas, N.Iguaçu não precisa de um aéromóvel, ou bondes e VLTs, a verba alocada nessa idéia de jerico, pode muito bem resolver outros problemas dos iguaçuanos como criação de uma faixa exclusiva para ônibus ligando a posse e Sta Rita ao centro e o Bairro da Luz, e instaçlção de uma estação ferroviária nesse bairro o que retiraria uma quantidade enorme de pessoas que vem dos bairros em direção ao centro para tomar os trens da supervia.





Obras da Linha 3 do metrô começam em janeiro de 2013

O Governo Federal já anunciou a liberação dos recursos para a implantação da Linha 3 do metrô, ligando Niterói a São Gonçalo. Realizado pela Secretaria de Obras no âmbito do PAC 2, o metrô será responsável pela integração dos dois municípios, com possível extensão até Itaboraí, onde está sendo construído o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).
Os investimentos públicos totalizam R$ 1,734 bilhão, sendo R$ 500 milhões do Orçamento Geral da União (OGU), R$ 774 milhões do BNDES, R$ 200 milhões de financiamento com o Banco do Brasil e R$ 260 milhões de compensação ambiental.
A Linha 3 começa na estação Arariboia, num projeto do arquiteto Oscar Niemeyer, desenvolve-se ao longo de um trecho de 22 km, sendo 17,7 km em viadutos e 4,3 km em superfície, ligados por 14 estações, possuindo ainda um estacionamento e garagem para pequenos atendimentos e reparos em Barreto e um Centro de Manutenção, em Guaxindiba. O projeto da estação Arariboia irá compor o Caminho Niemeyer, sendo um presente à população.
– Em um mês será lançada a modelagem do edital, definindo as regras que a Parceria Público Privada (PPP) terá que seguir. Em outubro o edital será lançado e nossa previsão é que em janeiro de 2013 possamos contratar e dar início às obras – disse o secretário de Obras, Hudson Braga.
O metrô atenderá a grande necessidade de transporte de passageiros gerada pelos municípios atingidos, além de garantir o deslocamento intermunicipal da população dos municípios abrangidos, de aproximadamente 1,7 milhão de habitantes. Calcula-se que 70% dos usuários da Linha 3 terão como destino a cidade do Rio de Janeiro, utilizando a Estação Arariboia, a maior estação do sistema, como estação terminal e de integração. Essa estação ficará ao lado de onde hoje encontra-se o terminal das Barcas e será construído um terminal intermodal, integrando os sistemas de metrô, barcas e ônibus municipais e intermunicipais, atendendo aproximadamente 600 mil passageiros/dia, compondo a maior integração intermodal do país e a primeira a incluir um terminal aquaviário.
A outra estação terminal é Guaxindiba, localizada próximo à BR-101, que permitirá a integração intermodal com os municípios de Itaboraí, Tanguá, Rio Bonito e Magé, garantindo o deslocamento até Niterói e Rio de Janeiro. Há uma expectativa de ampliar o sistema até Itambi, em Itaboraí, para atender os funcionários do Comperj, e Visconde de Itaboraí.
O projeto de revitalização da estação Barreto prevê a recuperação da antiga estação ferroviária, atualmente desativada. Já a estação Vila Lage, a primeira de São Gonçalo, ajudará a estruturar o transporte de massa na região. Aquela área hoje é servida apenas por ruas, que acabam com grandes engarrafamentos, prejudicando a economia local e o meio ambiente. Na Praça do Zé Garoto, no Centro de São Gonçalo, haverá dois acessos, para atender ao grande fluxo de passageiros na região. A expectativa é reduzir o tempo de deslocamento entre as duas pontas da linha de duas horas para 40 minutos, garantindo um transporte limpo e seguro.
 Fonte: JB Online, 26/04/2012

Será que começa mesmo? Continua o estrado a teimar em contruir um minhocão rasgando São Gonçalo e Niterói, ao invés de aproveitar a faixa de domínio em nível da linha lá ecistente, preferem usar essa faixa para assentar pilares e fazer o metrô trafegar sobre uma favela, tal como a linha 2 faz sobre o Jacarezinho.
Ao invés de urbanizar o entorno da linha, criando um corredor de civilização na infernal cidade de São Gonçalo, o metrô vai passar por cima, evitando desapropriar os invasores e deixando no solo uma imensa favela de 18Km de extensão. Tudo isso para evitar desapropriações que não seriam necessárias caso a central logística tivesse continuado a operar seus trens.


Veja só:

 http://lauaxiliar.blogspot.com/2011/08/fatos-gerais-situacao-atual-da-kiss-919.html


http://lauaxiliar.blogspot.com/2011/09/um-ativo-menos.html