quarta-feira, 2 de maio de 2012

Enquanto o trem não volta


Adaptado de http://www.fatosgerais.com/

 Enquanto o transporte ferroviário não retorna, eis que existe uma solução provisória e excelente para manter ocupado os milhares de kilômetros de trilhos existentes no nosso país, o ônibus trem. Este veiculo fabricado pela Tectran, em parceria com a encarroçadora Busscar (hoje a beira da falência, lamentavelmente) e a Mercedes Benz, permitiu fabricar e colocar este protótipo para funcionar. O resultado desta experiência foi excelente, o que rendeu até cobertura do Jorna Nacional da Rede Globo. Tal feito ocorreu em 1995. 
Esta foi a verdadeira fusão ônibus trem de fato. Não se sabe porque este projeto foi abandonado, mas os motivos de sempre como intereses rodoviaristas e miopia governamental sempre estão por aí.
Tal solução hoje poderia ser colocado nos ligeirões do nosso país (não uso o termo BRT, pois além de ser estrangeirismo, o idioma inglês está sendo utilizado de forma burguês-elitista, o me dá asco), sobretudo nas linhas construidas no Rio de Janeiro pelo prefeito Edumerda Paes, pois além de tornar as viagens mais rápidas e seguras, prepara o trecho para ser transformado em linha de metrô, substituindo os ônibus articulados por composições ferroviarias de forma muito mais facíl, pois o leito e os trilhos ja estariam pronto.
Os autores do projeto do ônibus trem parece que já estavam prevendo o que aconteceria com a malha ferroviária em 1995, milhares de Km de linhas seriam desativados e o trânsito ficaria cada vez pior, nesse cenário ter um veículo capaz de manter a malha minimamente ocupada trafegando em um corredor exclusivo era uma idéia promissora. 
Apesar de ter uma manutenção mais cara esse tipo de veículo é pouco exigente com a infra estrutura e poderia operar de orma rentável até que houvesse disponibilidade de recursos para a execução das obras definitivas no leito ferroviário, enquanto os trens de verdade não voltam, evitando o vandalismo e o roubo de trilhos, mantendo a linha conservada e operacional. 
   Poderia ser uma excelente solução a ser adotada pela empresa Transurb e pelo incompetente governo do estado do Rio de Janeiro, enquanto os bondes novos de Sta Teresa não chegam. Resumindo, com este artificio, poderia se resolver por um bom tempo a questão de congestionamentos, acidentes