sábado, 17 de outubro de 2009

Lindberg Farias o jogo dos ratos

"O prefeito Lindberg Farias foi nesta sexta-feira ao Fórum de Nova Iguaçu entrar com uma ação contra a Supervia, por conta dos problemas ocorridos nos últimos dias nos trens que circulam pela Baixada Fluminense. Um das principais solicitações da ação civil pública é a exigência de que a concessionária devolva o valor integral da passagem de forma imediata em casos de pane, paralisação ou defeito nos serviços. O prefeito entende que os tumultos que ocorreram - quarta-feira no ramal de Japeri e quinta-feira na estação da Central do Brasil - poderiam ter sido evitados caso o valor da passagem tivesse sido devolvido aos passageiros. O valor da ação de indenização é de R$ 2 milhões.

- O usuário dos trens anda com o dinheiro contado para o transporte. Só houve confusão porque os trabalhadores ficaram desesperados quando a Supervia não quis devolver o valor pago na passagem - afirmou Lindberg."


Para quem não sabe Lindberg Farias prefeito de nova iguaçu, que também responde pelas alcunhas de Lindinho e podrinho será candidato a governador ano que vem, por isso esse interesse em atacar a supervia já que Sergio neoliberal Cabral é candidato a reeleição, e tem relações para lá de promiscuas com as concessionárias de serviço público.

Nós população teremos uma difícil escolha... um corrupto do PMDB ou outro do PT.

O Ministério Público vai ingressar, na próxima terça-feira, com uma ação civil pública responsabilizando a SuperVia pelas falhas dos últimos dias na gestão do sistema ferroviário do Rio. Além de cobrar medidas da empresa para que não ocorram mais transtornos aos passageiros, a ação determina que a concessionária pague uma indenização de R$ 1 milhão por danos morais aos seus clientes. O valor seria destinado a um fundo e dividido entre os passageiros. A ação também prevê a indenização por danos materiais dos usuários, cujo valor dependerá de cada caso.

- Queremos que a SuperVia adote medidas para evitar situações de pânico, porque os últimos fatos têm gerado risco para segurança e para vida da população - disse o promotor Carlos Andresano, da 3ª Promotoria de Defesa do Consumidor da Capital, que assina a ação com Pedro Rubim Borges, da 1ª Promotoria de Defesa do Consumidor. A ação prevê ainda que a concessionária treine funcionários para fazer o resgate de passageiros em situações de pane.

- Já recebemos denúncias de que mulheres, enfermos e idosos tiveram problema para descer dos trens nessas situações - informou o promotor.

Governo se defende

A Prefeitura de Nova Iguaçu ingressou ontem com uma ação semelhante, pedindo indenização no valor de R$ 2 milhões. O governador do Rio, Sérgio Cabral, alegou que o Estado vem fazendo sua parte ao investir no transporte de massa com a compra de trens e a construção de estações de metrô.

- Hoje, a SuperVia tem 38 trens com ar-condicionado. Antes, havia apenas dez. Na próxima semana, vamos entregar mais um. Há três semanas, assinei um financiamento para a compra de 30 novos trens - disse Cabral. ou seja o estado ainda está bancando o sistema ferroviário mesmo depois de o mesmo ter sido entregue a supervia e a passagem ter aumentado cerca de 400%.

A SuperVia informou que não se manifestará sobre a ação do MP. Segundo a empresa, os atos de vandalismo de passageiros aos trens custam, em média, R$ 2 milhões por ano à concessionária.
A supervia só não informa o quanto ganha vendendo sucata de equipamentos devolvidos ao estado e comercializando terrenos que não são seus.