quarta-feira, 29 de abril de 2015

Fazendo as contas


Ontem mesmo, numa palestra minha em evento comemorativo ao dia do Ferroviário, no bonito CCEN-Centro Cultural Estação Nogueira, em Petrópolis, falei um pouquinho sobre a E. F. Maricá e sua estúpida destruição. Através dela  ia-se de Niterói até Cabo Frio.

Recomendei, inclusive, à plateia que assistisse o documentário "CONDENADOS PELO PROGRESSO", disponível no youtube. O filme propagandista (dez minutos) do Governo justifica a opção rodoviarísta usando a Maricá (o filme não diz isso) como exemplo para acabar com ela - e outras ferrovias.

Fato curioso é que lá pelo final do filme, as loco-cremalheiras que operavam na Serra de Petrópolis aparecem em plena operação. 

Como prova inquestionável da segurança do transporte ferroviário em relação ao rodoviário, o fato  é que durante os 81 anos de operação (1883-1964) dessa linha da Grão-Pará (Alto da Serra-Vila Inhomirim), já perto da sua extinção aconteceu um único acidente, com 3 (eu disse três) mortos. 

Por outro lado, os mortos e feridos por conta de acidentes com ônibus, automóveis, caminhões e motocicletas na Serra Rodoviária de Petrópolis chegam a dezena de milhares em quase cem anos de operação, e todo dia tem pelo menos unzinho.

Felizes os que (ainda) tem uma estação preservada em sua Região.

Divulguem para seus contatos, sobretudo se tiver "arguma otoridade" na lista

Oremos, pois!

Pastori