sexta-feira, 20 de agosto de 2010

O tempo passa... mas o aço é tenaz

 Segue abaixo o texto de Miguel Campos que  veio parar em minhas mãos não lembro como, o mesmo é uma argumentação em favor da re-implantação do trem turístico em Miguel Pereira e mostra a luta da AFPF no trecho e a sacanagem falta de atenção das prefeituras da região com algo que poderia gerar tantos empregos, solucionando um dos principais problemas daqueles municípios.

Lembrando que a prefeitura de Miguel Pereira já asfaltou passagens de nível que haviam sido recuperadas pela AFPF além de reclamar do movimento dos trens no centro da cidade, por causa distúrbio no trânsito (que trânsito?).
Enquanto em Governador Portela a prefeitura destruiu as oficinas e o pátio ferroviário, não construiu nada no lugar,  e deu sumiço ao material existente nestes.

Resta de bom saber que nestes 7 anos a AFPF se mantém e já recuperou seu material rodante, e a via. E vamos em frente que atrás vem... o trem.

O abandono da linha férrea


15/8/2003 - Miguel Campos


O Movimento Pró Trem Turístico tem como objetivo obter apoio das Prefeituras, do comércio local e da população em geral das duas cidades para que, em conjunto, trace planos e apresente as suas reivindicações para a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a FCA.


"Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come"


Precisamos, todos, sem distinção, nos unir para o Bem da nossa região !! Estamos, e a olhos vistos, empobrecendo e não há uma expectativa de melhora. Se formos listar a quantidade de empresas, lojas e/ou moradores que NÃO CONSEGUIRAM se manter aqui, seria com certeza uma listagem extensa e triste.


Toda esta nossa região, de Miguel Pereira à Paraíba do Sul tem um déficit gigantesco de empregos. Geralmente quem vem morar por aqui já tinha imóvel para o “veraneio” ou por busca de “qualidade de vida”. Tudo na vida tem limite. Apesar de estarmos bem próximo da cidade do Rio de Janeiro e de outros grandes centros urbanos, hoje não temos turistas. A situação atual do País é bastante díficil. Temos um futuro brilhante como País mas SEMPRE somos alvo de CRISES de todo o tipo. O futuro do Brasil sempre foi e sempre será um grande produtor de alimentos. Não é necessário abrir mão da industrialização. Desde que inteligente, benéfica e quase unilateral para o nosso País.


De um modo geral, nós brasileiros, nem por um segundo sequer, sabemos de tecnologias totalmente nacionais, invejadas e desejadas por muitos países superiores. Precisamos nos orgulhar do que temos e buscar o que desejamos.


Se não temos indústrias, temos então um clima no mínimo extremamente favorável para aqueles que buscam qualidade de vida. Precisamos desenvolver o turismo atualmente em estado embrionário. Mas já esteve embrionário antes. O que falta, talvez, é a parceria tão falada no Mundo de hoje e tão difícil de praticar por aqui. Ou por vaidade (o que aliás tem de muito), ou por falta de atitude e também, por que não, por pouco dinheiro não só do Governo Municipal mas também dos que escolheram investir aqui.


É hora de buscarmos nossas raízes, valorizarmos o que é nosso, e traçarmos planos a curto, médio e longo prazo. Se temos o Lago de Javary como cartão postal da cidade de Miguel Pereira, tratemos antes de qualquer urbanização de criarmos um HÁBITO nos moradores para que vá até lá ao encontro dos seus nos finais de semana e em feriados. Não é necessário disser que, automóveis ou motos, apenas os dos moradores e de seus visitantes. Aliás é a cidade das motos desembestadas e sem qualquer placa. Um paraíso para os ilegais. Lei neles.


É notório que Luiz Gonzaga (pai) ajudou a arrecadar fundo$ para a construção do Hospital Fundação. Será que alguém tem fotos ou filmes do Rei do Baião tocando a sua famosa sanfona em pleno centro de Miguel Pereira ? Gonzagão, como era conhecido pelo Brasil inteiro, teve uma fazenda aqui chamada Asa Branca que hoje pertence à uma pessoa bastante famosa. Será que não teríamos material suficiente para termos aqui um museu em sua homenagem ? Sabe o famoso Pé-Grande nas montanhas do Colorado, nos EUA, é uma invenção de um Guarda Florestal que faleceu recentemente. Puro marquetim, grosseiro, mentiroso e imbecil. O também famoso Luiz Gonzaga é “realidade”, sentimento e mexe com o orgulho do brasileiro. O Rei do Baião já se foi mas a sua herança é valiosa. Façamos um museu em sua homenagem. O que não falta é incentivos fiscais para empresas que investem em Cultura.


Valorizar a nossa história não é uma necessidade só de Miguel Pereira. A cidade irmã de Paty do Alferes (tão perto - 7.0 kms) tem a maravilhosa Aldeia de Arcozelo. Um show no teatro de arena com músicos do calibre de Wagner Tiso, por exemplo, seria indescritível. Idealizada por Paschoal Carlos Magno, está hoje atrelada a Funarte que não tem dinheiro para recuperá-la e nem desenvolve eventos de maior peso no cenário Estadual. Mais uma vez, não falta é incentivos fiscais para empresas que investem em Cultura.


O distrito de Governador Portela vai ganhar uma praça junto a linha férrea. Desde que houve o tombamento (chão mesmo!) dos galpões da quase extinta R.F.F.S.A., a atenção e os olhos dos ferroviários, e dos moradores desta região, tem se voltado para a possibilidade da implantação do Projeto Maria Fumaça. Alguns falam em sonho, outros não falam, agem. A AFPF (Associação Fluminense de Preservação Ferroviária), um baluarte no Estado do Rio de Janeiro que vem batalhando e muito pela implantação do Projeto Maria Fumaça aqui na nossa região. Esta mesma Associação foi quem manteve, a duras penas, o nosso trecho de Portela à Avelar em bom estado de conservação. Ato de bravura e que hoje tem o reconhecimento da própria FCA (Ferrovia Centro-Atlântica S.A.).


A Prefeita de Paty do Alferes, Lúcia de Fátima, já enviou no dia 19 de março, por um representante do Movimento Pró Trem Turístico, carta de intenção em conjunto com a AFPF demonstrando o seu apoio e esforço na materialização deste projeto que tem como objetivo trazer o Turismo e em relativo curto espaço de tempo.


Atitudes como esta só trazem o bem e prosperidade para a Comunidade. A estação de Avelar até que está em bom estado. Com certeza trará oxigênio para o comércio local e empregos para muita gente que um dia teve na linha férrea o seu ganha-pão.


Na sexta-feira (21/03) a TvRio Sul, repetidora da Rede Globo na nossa região, colocou no ar uma matéria a respeito do abandono de um dos maiores símbolos da nossa linha férrea. A ponte que leva o nome do engenheiro Paulo de Frontin, é o que se chama de uma obra de arte em matéria de ferrovia e no entanto nem tombada está pelo IPHAN. O Movimento Pró Trem Turístico vai se empenhar, junto ao prefeito de Miguel Pereira, Dr. Fernando Pontes, para que toda documentação seja encaminhada ao Governo Federal pois se continuar sem manutenção será, com certeza, tombada pelo tempo.


Nesta sexta-feira (28/03), o auto de linha que esteve por quase dois anos sendo reformado na Fiat Serra Azul, deverá finalmente ser retirado para reforma de motor e bancos. É peça chave para recuperação e manutenção da linha. Com certeza se estivesse trafegando não haveria tantas invasões, roubo de dormentes e trilhos. (Leia mais em http://parahdiario.blogspot.com/2010/01/o-auto-de-linha-rffsa-101.html)


A Prefeitura de Miguel Pereira tem um motor a diesel disponível, o atual é a gasolina, para colocar o auto de linha de volta nos trihos. O comércio de Miguel Pereira e Paty do Alferes está, desde já, convidado pelo Movimento Pró Trem Turístico para colaborar com a manutenção e em tempo hábil, na confecção de uma ou duas jardineiras para poucos lugares.


O Movimento Pró Trem Turístico tem como objetivo obter apoio das Prefeituras, do comércio local e da população em geral das duas cidades para que, em conjunto, trace planos e apresente as suas reivindicações para a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) e a FCA.


Se já houve até trens de carga na região porque agora não poderíamos ter Trem Turístico ? O Projeto é ambicioso e contempla três cidades. Miguel Pereira + Paty do Alferes + Paraíba do Sul. É evidente que para iniciar, o MPTT objetiva o trajeto de Governador Portela até Avelar.


Na época do Trem Azul não haviam tantas lojas como hoje e o Turismo é a vocação natural da nossa região. É saber divulgar, monitorar o comércio (apoio e formação) e criar oportunidades para todos. O Projeto Trem Turístico CRIA a expectativa de um final de semana com as cidades cheias e reverte a médio e longo prazo uma situação de angústia e desespero para muitos. Incluímos aí até as próprias Prefeituras com sua arrecadação em queda e sua folha de pagamento cada vez mais comprometida.


P. S. - no guia Brasil 2000 (Editora Abril), em Miguel Pereira está escrito que é uma das cidades mais procuradas pelos cariocas nos finais de semana. Será ?