quinta-feira, 28 de novembro de 2013

A pernada da FCA


A FCA conseguiu obter uma brecha na legislação de concessão para desativar a ferrovia em cataguases. A FCA obteve liberação da ANTT para devolver trechos de sua malha porém onde ela possui contratos de transporte o transporte deve ser mantido.
Aí vem o pulo do gato, em Cataguases a ferrovia cruza um trecho urbano onde há tráfego dentro das ruas da cidade, a FCA há muito tyempó tem interesseem desativar este trecho sem sucesso, agora com essa resolução otrecho será devolvido sem que a FCA perca a concessão do restante da linha, pois teoricamente estaria apenas cumprindo a determinação de manter o transporte. pronto regra de concessão driblada mais uma vez pela FCA.

Empresa vai construir novo terminal para embarque de bauxita em Leopoldina

Iniciativa pode acabar - a médio prazo - com o tráfego de trens no centro de Cataguases

Texto original aqui
 
RSS

O novo embarcadouro poderá acabar com o tráfego de trens em Cataguases O novo embarcadouro poderá acabar com o tráfego de trens em Cataguases
A Supram (Superintendência Regional de Regulamentação Ambiental) da Zona da Mata, com sede em Ubá, concedeu licença ambiental prévia e licença de instalação por seis anos à Ita Transporte Ltda, empresa responsável pelo carregamento de minério lavado aos caminhões transportadores terceirizados, que prestam serviço a Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) no transporte da bauxita. A autorização ocorreu em reunião realizada no final de setembro. Com a permissão, a empresa vai construir um novo terminal de carga no município de Leopoldina, mais precisamente na Fazenda Laranjeiras, numa área de três hectares, no distrito de Ribeiro Junqueira, próximo à divisa com Laranjal, às margens da BR-116. 

Conforme o documento que deferiu o pedido da empresa, o empreendimento aprovado é semelhante ao que existe atualmente nas imediações de Cataguases, na localidade conhecida como Barão de Camargo. Consiste em uma unidade de pequeno porte que tem a função de receber a bauxita proveniente das unidades de processamento da região, transportada por caminhões e embarcá-la nos vagões da Ferrovia Centro Atlântica - FCA, com destino a estação de Barão de Angra, município de Paraíba do Sul (RJ), onde é feita a conexão devida, com alteração de bitola na linha férrea, seguindo daí em diante para o município de Alumina (SP), onde são processados. 

imageO novo terminal de minério terá capacidade de embarque de 120 mil toneladas/mês, totalizando no período de um ano 1,44 milhões de toneladas. Neste local haverá uma redução das distâncias percorridas de 80 Km pelos caminhões e de 68 Km pelos trens, considerando ida e volta. As obras para a implantação do novo terminal consistem na construção do pátio de descarga e carga de minério (embarcadouro) que terá 15 mil metros quadrados. Completam as instalações físicas do novo terminal um container com 29,74 metros quadrados que será adaptado para servir à administração do empreendimento, estacionamento com 50 metros quadrados, um galpão com 60 metros quadrados destinado à manutenção dos veículos e um outro container, com 11,32 metros quadrados que será usado para a guarda de materiais e abrigo de resíduos sólidos.

Com o novo Terminal de Minério o trecho da rota Leopoldina a Cataguases, com 20 km de extensão será excluído, bem como um total de 20 km do trecho de Leopoldina ao Terminal. Assim que o novo embarcadouro ficar pronto ele receberá todo o minério oriundo da unidade da empresa em Miraí e, por isso, haverá significativa redução do tráfego de trens no centro de Cataguases com tendência a zerar esta rota tão logo seja interrompida a extração de bauxita pela unidade da CBA em Itamarati de Minas, conforme a própria empresa anunciou no começo deste ano. A expectativa é de que o novo embarcadouro esteja funcionando no começo de 2014